Bancários do Santander reivindicam renovação do aditivo com avanços em protesto na Torre do banco

Trabalhadores do Santander de vários estados brasileiros participaram, na manhã dessa terça-feira (5) de atividade nacional na Torre do banco, na Marginal Pinheiros, em São Paulo. Com a participação do Sindicato dos Bancários de São Paulo, de representantes da Fetec-SP, dos membros da COE (Comissão de Organização dos Empregados) do Santander de diversos Sindicatos do país, o protesto reivindicou a inclusão de avanços na renovação do acordo aditivo.

Na ocasião, os dirigentes sindicais se dividiram em grupos e percorreram todos os andares da Torre do banco, dialogando com os funcionários no local de trabalho e distribuindo o Jornal dos Trabalhadores do Santander, disponível no site da Contraf-CUT para download. Clique aqui e confira.

 “A atividade com os funcionários do Santander foi esclarecedora, visto que muitos bancários ainda não tinham conhecimento sobre várias questões da minuta. Por isso, fomos muito bem recebidos pelos trabalhadores, que entenderam o motivo da mesa de negociação e esperam uma resposta do banco à altura das nossas reivindicações”, ressaltou o secretário de Relações Internacionais da Contraf-CUT e representante da entidade na COE do Santander, Mario Luiz Raia.

Até agora já ocorreram quatro rodadas de negociação sobre o aditivo com os representantes do Santander. Mas, o banco continua dizendo não para avanços. Embora o banco assegure a renovação do acordo, o mesmo não acontece com a inclusão de itens que representariam avanços para os trabalhadores, especialmente nas áreas de saúde e condições de trabalho, que o Santander quer discutir em fóruns específicos.

“O Santander tem que parar de enrolar os trabalhadores. Vamos pressionar o banco para que saia uma proposta decente”, concluiu Mario Raia.

A nova rodada de negociação com os representantes do banco será nesta quarta-feira (6).

Clique aqui para ver a galeria de fotos da atividade.

Fonte: Contraf-CUT

Posts Similares

Os comentários estão fechados.